Carlos Luís Figueira, no Jornal do Algarve

Falar de tudo e nada, como Marcelo tem vindo a exercer o seu cargo, pode diferenciar-se agradavelmente do ministério sisudo e permanentemente zangado perante os portugueses corporizado por Cavaco, mas o ministério dos afectos, surgido após a catástrofe dos incêndios, não está para durar.