Metade dos trabalhadores com exaustão profissional | AbrilAbril

Os níveis de burnout, ou esgotamento/exaustão profissional, não pararam de subir desde 2008, revelam-nos dados da Associação de Psicologia e Saúde Ocupacional (APPSO). Este foi o ano em que fez o primeiro grande estudo, baseado num inquérito a quase 40 mil trabalhadores, e tem vindo desde aí a medir a evolução do número de situações.

Sobre os dados de 2016, que estão quase a ser publicados, João Paulo Pereira, presidente da APPSO, avança ao Jornal Económico que entre os cerca de 4 mil trabalhadores portugueses inquiridos, existem 47,6% com diagnóstico de burnout. No entanto, havendo um crescimento em 2016, constata-se que este crescimento não é tão acentuado como o de anos anteriores. Segundo declarações de João Paulo Pereira ao mesmo jornal, este abrandamento está relacionado com a mudança política e social, que trouxe «mais confiança e segurança às pessoas», nomeadamente com a intervenção em várias questões como a redução do horário de trabalho, entre outras matérias.

Carga horária e condições de trabalho na origem do problema

Uma das principais origens apontadas para o esgotamento/exaustão profissional é a carga horária, que no caso dos trabalhadores portugueses, é uma das maiores da União Europeia. A reportagem do Jornal Económico sustenta com os últimos dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), de 2015, que revelam que a média de horas de trabalho de cada trabalhador português é de 1868 por ano, número ultrapassado na União Europeia apenas pela Grécia, Polónia e Letónia. São referidos ainda os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), indicadores de que, no ano passado, do total da população empregada, 39,2%, ou seja, 1,8 milhões de pessoas, trabalhavam entre 36 e 40 horas por semana, incluindo horas extraordinárias; e que 19,4%, quase 900 mil trabalhadores, trabalhavam 41 horas ou mais por semana.

Uma das principais origens apontadas para o esgotamento/exaustão profissional é a carga horária, que no caso dos trabalhadores portugueses, é uma das maiores da União Europeia.

Há, por exemplo, quanto ao horário de trabalho, uma naturalidade em Portugal em fazer-se horas extraordinárias. «Fazer horas extraordinárias é tão normal em Portugal, que mesmo sendo remuneradas, deixaram de ser sentidas como compensadoras», refere o presidente da APPSO, que também lembra que «todos os estudos mostram que trabalhar mais horas não significa aumentar a produtividade».

Telmo Baptista, o ex-bastonário da Ordem dos Psicólogos, vem também lembrar na reportagem do Jornal Económico que «do ponto de vista clínico, os níveis de stress e de depressão são elevados devido às más condições de trabalho, que se agravaram nos últimos anos», acrescentando o exemplo de que «muitas pessoas foram obrigadas a acumular as suas funções com as dos trabalhadores que foram dispensados». São dados outros exemplos como a pouca autonomia dada aos trabalhadores, a dificuldade de relação entre os trabalhadores e as chefias, ou a ideia incutida aos trabalhadores de que «é preciso dar tudo até ao limite».

Como exemplo mais específico, em Junho do ano passado, o AbrilAbril reportou um estudo da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), que decorreu entre Janeiro e Dezembro de 2015, centrado na problemática do burnout nos médicos, que concluiu que 18,7% destes profissionais trabalha mais de 60 horas por semana.

 

Source: Metade dos trabalhadores com exaustão profissional | AbrilAbril

About the author

novodmin

Ao continuar a utilizar este site, concorda com a política de cookies mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar