Economia Notícias Uncategorized

Quase metade do alojamento local está fora da lei

Dois anos após a entrada em vigor da mudança legislativa que viabilizou a explosão de alojamentos locais de turismo em Portugal, há diferentes perspetivas sobre a nova realidade, e nem todos estão satisfeitos.

A posição mais crítica vem da Associação da Hotelaria de Portugal, que denuncia: “O diferencial entre os alojamentos disponibilizados no Airbnb [serviço online] e os efetivamente registados é de 40%“, adiantou ao JN/Dinheiro Vivo Cristina Siza Vieira, presidente-executiva da AHP, que na próxima terça-feira apresenta um estudo independente realizado pela Universidade Nova, e que faz o desenho deste novo segmento de atração turística. Significa que, na prática, por cada 100 alojamentos locais disponíveis no Airbnb, 40 são ilegais.

“[Na AHP] não imputamos qualquer vantagem às alterações de 2014” – faz hoje dois anos, diz Cristina Siza Vieira, lembrando que “não foi o regime, foi a economia que ajudou“. Critica, por isso, o facto de “não haver controlo” no crescimento do Alojamento Local, realçando os problemas de “esvaziamento de algumas zonas“, bem como “a falta de instrumentos de gestão territorial“.

No entanto, lembra que a lei trouxe uma “vivificação das cidades e uma reabilitação urbana que estava, em algumas zonas como a Baixa de Lisboa, congelada“. Mas alerta: é preciso ouvir os condomínios, apertar as regras de segurança e higiene, bem como travar a escalada dos preços do arrendamento tradicional, equiparando fiscalmente o alojamento local do mercado normal de arrendamento.

Posição mais otimista tem a Associação do Alojamento Local em Portugal. “O principal objetivo da lei foi criar um enquadramento fiscal que permitisse trazer vários operadores para a legalidade“, afirmou Eduardo Miranda, presidente da ALEP. A Associação também está a estudar o setor. “Não se pode dizer que 40% dos alojamentos locais (AL) do Airbnb estão ilegais, porque o Airbnb mistura apartamentos com quartos e tem também AL inativos e que foram disponibilizados por altura do verão ou para a final da Champions”, detalha, esclarecendo que esta leitura mais fina dos dados “gera uma diferença astronómica que, em Lisboa, passa de 40% para 20%” de operações ativas ilegais.

Motivações para não legalizar

Problema: “Só se consegue fazer esta leitura quando a oferta está muito concentrada” e, no Algarve, onde estão concentrados metade dos AL do país, as plataformas como Airbnb não têm expressão, dificultando este exercício.

O que pode explicar, ainda, as operações ilegais? Famílias que querem ocupar as suas casas por um período curto e irrepetível e que, por isso, não veem vantagens em registar-se como empresários em nome individual. Estes casos, salienta Eduardo Martins, são mais comuns do que parece, porque “muitos proprietários só querem ocupar as suas casas entre 2 e 5 semanas” e aí nem optam pelo contrato de arrendamento de curta duração nem pelo registo oficial.

Source: Quase metade do alojamento local está fora da lei

Etiquetas

Opinião

Novembro, 2020

Shortcodes Ultimate

X

Ao continuar a utilizar este site, concorda com a política de cookies mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar