Imprensa Regional

Ricardo Viegas, o único sobrevivente da equipa que lançou o Jornal…

O menino à esquerda da imagem é Ricardo Viegas, no dia em que saiu o primeiro número do Jornal do Algarve. Seis décadas depois, recorda esses tempos e como era então Vila Real de Santo António

.

Ainda não tinha completado os 14 anos quando começou a trabalhar neste semanário, dois meses antes da saída do primeiro número. O pai queria que aprendesse “um ofício”, mas ele acabou, mais tarde, por escolher a Marinha. Hoje, aos 73 anos, e no ano em que o JA está a completar o seu 60.º aniversário, recorda algumas histórias daqueles tempos e como era Vila Real de Santo António há 60 anos, bem como o seu percurso de vida depois de ter deixado a cidade pombalina

DOMINGOS VIEGAS

Começou a trabalhar no Jornal do Algarve em janeiro de 1957, dois meses antes de ter saído o primeiro número, porque era necessário preparar o lançamento do novo semanário com antecedência. Por este facto, e apesar de, na altura, ainda não ter completado os 14 anos, Ricardo Viegas pode ser considerado o primeiro funcionário do Jornal do Algarve. Aos 73 anos é, também, o único sobrevivente da equipa que pôs em pé este projeto.

“Entrei através do senhor Aurélio, que tinha uma loja perto da Junta de Freguesia, e do senhor José Pereira, que era tesoureiro na câmara municipal. Ambos eram amigos do meu pai. Abria a porta, até à uma da tarde, depois regressava por volta das duas ou das três horas. Era assim. Tinha 14 anos. Naquela altura podia-se trabalhar até com menos idade”, recorda.

Eram tempos difíceis. O pai era de Vila Real de Santo António e a mãe era de Castro Marim, mas Ricardo Viegas acabaria por nascer em Matosinhos, por circunstâncias da vida, já que o progenitor era pescador e, naquela altura, a família encontrava-se no norte do país. Mas acabariam por regressar logo após o nascimento do filho Ricardo.
Concluiu a antiga 4.ª classe (hoje 4.º ano do ensino básico), mas não prosseguiu os estudos. “O meu pai queria que eu tivesse uma profissão, mas com a quarta classe não era fácil”, conta. Surgiu então a possibilidade de começar a trabalhar no Jornal do Algarve, onde, além de abrir e fechar a porta, aprendeu a escrever à máquina, uma aprendizagem que lhe seria de grande utilidade, alguns tempos depois, quando ingressou na Marinha.

“Aprendi com o senhor Emílio. Aliás, ele e o senhor Garcia, que era empregado de escritório na Fábrica Folque, deram muito ao Jornal do Algarve. Deram muitas horas, quando saíam dos seus empregos. Eram eles que escreviam, à máquina, semanalmente, os endereços dos assinantes. Eu, depois, recortava-os. Era tudo feito à mão. Muitas vezes, saíamos já depois da meia noite, para conseguir preparar os endereços e para que o jornal chegasse a todos os assinantes… E naquela altura já eram muitos”, explica Ricardo Viegas.

Se hoje já é difícil começar e pôr em pé o projeto de um órgão de comunicação, naquela altura as coisas eram muito mais complicadas, principalmente, em termos financeiros. “Ao princípio não havia dinheiro. Havia muita vontade e muito trabalho, mas não havia dinheiro. Só comecei a receber alguma coisa depois de ter saído o segundo número do jornal. Não me recordo quanto, mas foi pouco. Muito pouco”, lembra.

O truque da pasta para “fintar” a PIDE

Apesar das dificuldades, Ricardo Viegas garante que guarda “boas recordações” daquela altura. E também algumas histórias curiosas desses primeiros tempos do Jornal do Algarve, algumas delas relacionadas com o diretor e fundador, José Barão, e com a autêntica “marcação cerrada” que lhe era feita pelo antigo regime, através do Serviço de Censura e da própria PIDE.

José Barão vinha de Lisboa, de comboio, e, naquela altura, em Vila Real de Santo António havia duas paragens: a estação principal e, menos de dois quilómetros mais à frente, o apeadeiro localizado mais perto do centro da, então, vila e que representava o efetivo fim da linha. Este facto era aproveitado por José Barão para fazer sair do comboio, na primeira paragem, alguma informação e documentação mais sensível que trouxesse consigo.

“No Jornal diziam-me: Ricardo! Pega na bicicleta e vai buscar uma encomenda à estação. Quando chegava, aparecia um revisor da CP, de óculos escuros, que me perguntava: És tu que vens do jornal? Eu respondia afirmativamente e ele dava-me uma pasta e dizia-me para levar aquilo depressa até à redação. O senhor José Barão continuava até ao apeadeiro, com uma outra pasta que, evidentemente, não tinha nada de importante. Estavam à espera dele no apeadeiro, mas a mala importante já tinha saído antes.”, conta Ricardo Viegas.

Ainda em relação a José Barão, Ricardo Viegas considera-o “uma pessoa excecional” e “um homem que lutou sempre pelo desenvolvimento do Algarve e para que a região fosse para a frente”, numa altura em que “o Algarve estava muito atrasado em relação aos grandes centros urbanos do país” e “a população vivia muito mal e com muitas dificuldades”.

Dez anos em África

Acabou por sair do Jornal do Algarve alguns meses depois, porque “não tinha ordenado e estava lá para aprender o oficio”, explica, e foi trabalhar como mecânico, “com o Sebastião Roque, na oficina do seu pai, o senhor André Roque”, recorda, onde também não esteve muito tempo.

“Como já tinha cédula marítima, e gostava de pesca, fui para ajudante de motorista marítimo até 1961. Aí, o senhor André Simões, piloto de barra, que era amigo da família, disse para me inscrever como voluntário na Marinha de Guerra Portuguesa e a 8 de setembro de 1961 fui para os Fuzileiros Navais. E lá fiz-me homem, como se costuma dizer. Quando completei os 18 anos já estava em Angola. Só regressava a Vila Real de Santo António de vez em quando.”, conta Ricardo Viegas.

Depois da recruta de Instrução Tática Elementar (ITE) e do curso de Fuzileiros Especiais fez várias comissões em África, nomeadamente em Angola, Cabo Verde e Guiné, sempre como voluntário: “Passei os primeiros dez anos da minha vida adulta em África. Nesse período só estive um Natal em Portugal, foi o de 1965. Até que em 1972 pensei em casar e parei. Casei nesse ano em Almada, com uma filha da terra, onde ainda nasceram os meus dois filhos e onde ainda resido”.

Continuou na Marinha e, mais tarde, depois de passar à reserva, em 1991, iniciou a sua segunda experiência profissional ligada a órgãos de comunicação: “Arranjei trabalho na Editora Abril Morumbi, como chefe de Serviços Gerais, Economato e Transportes, na qual fiquei 13 anos. Vi esta empresa crescer e transformar-se na Controljornal, a ‘holding’ do grupo de comunicação social liderado por Francisco Pinto Balsemão. Também estava lá o doutor Camilo Lourenço, outro filho de Vila Real de Santo António”.

A cidade “não pode viver só do turismo”

Desde 2004, ano em que se reformou definitivamente, que regressa regularmente a Vila Real de Santo António, onde faz parte da Confraria do Atum. “Venho, pelo menos, uma vez por mês durante uma semana para matar saudades da minha querida terra. A minha mulher é de Almada e os meus filhos também nasceram lá, mas eles também adoram Vila Real de Santo António”.

Ricardo Viegas considera que a cidade “está muito diferente” daquilo que foi na altura da sua infância e juventude, há cerca de seis décadas, já que “há muito movimento, mas apenas durante o verão”.

Vila Real de Santo António “morre muito quando acaba o verão”, constata. “Naquela altura as pessoas vinham de outras terras para trabalhar aqui, mas hoje, infelizmente, é ao contrário. Muitos jovens têm que sair para procurar uma vida melhor”, lamenta. Para Ricardo Viegas, é preciso “mais fábricas a trabalhar e mais indústrias”, porque “não se pode viver só do turismo”. E recorda que aquelas “eram as atividades que davam vida a esta terra durante todo o ano”.

“Naquela altura vinham navios de vários países, para carregar cortiça, mármore, conservas e minério que era transportado até aqui desde as Minas de São Domingos. Todos eles com muitos tripulantes. Havia os estivadores que carregavam e descarregavam os navios, havia as profissões ligadas às conservas, mas, também, aquelas desenvolvidas noutras indústrias e noutras atividades relacionadas com o mar. Havia a pesca, a construção naval… Isto dava muito movimento e havia trabalho, que é o principal e o que falta hoje”, refere Ricardo Viegas, resumindo, assim, muitas das atividades que contribuíram para que a cidade pombalina fosse, na altura, um dos maiores polos conserveiros e um dos portos comerciais mais importantes do país.




Powered by WPeMatico

A dama da Luz

Últimas

RTP

pub.

Evento

COVID-19 |Sites de Apoio

Linha SNS24 – Serviço online do SNS
SNS - Área do Cidadão do Portal SNS
Direção-Geral da Saúde – Atualiação permanente das últimas informações oficiais
Organização Mundial da SaúdeRelatórios de acompanhamento ao Covid-19
ECDC - Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças

Windy – Tempo na Foz do Guadiana

Visite

lugar-ao-sul
O que leva um conjunto de pessoas de geografias diferentes a encontrarem-se no espaço que a não tem – a web – para escreverem sobre os mais variados temas tendo apenas como farol uma posição cardeal: o Sul?
Agosto 2020
STQQSSD
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31 

Ao continuar a utilizar este site, concorda com a política de cookies mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar