Jornadas do Contrabando anunciam Festival

No salão nobre da câmara municipal de Alcoutim, os municípios de Alcoutim e de Sanlúcar de Guadiana levaram a cabo as Jornadas do Contrabando e Memórias de Fronteira

Advertisements
Advertisements

Foi a quarta edição. O tema viu-se alargado às memórias de fronteira, ao património intangível e imaterial e a estudos do património rural e edificado.

Falou-se do reconhecimento e valorização de uma identidade local, fortemente marcada pelas ligações fronteiriças.

Foram as necessidades locais, agravadas pelos acontecimentos bélicos da primeira metade do séc. XX, que fizeram disparar as ações de contrabando. A atividade deu um apreciável contributo para a sobrevivência e manutenção das populações., na conjuntura adversa.

Para o município de Alcoutim «Estes são dados históricos considerados inegáveis. O contrabando tradicional criou uma rede de contatos e relações familiares ligando ambas as margens do Guadiana, situação que se pretende valorizar, nos nossos dias, numa perspetiva de promoção turística do território».

Foram apresentados os documentário «220 m de Guadiana», por Paulo Vinhas Moreira; «Atores e episódios de uma serra de variadas ruralidades na primeira metade do século XX», por Miguel Rego; «Apresentação do Festival do Contrabando»; por Júlio Cardoso; «Bandoleros y Contrabandistas en la Sierra de la Contienda», por António Rodríguez Guillén; «Fome, Guerra e Epidemia na Zona Transfronteiriça do Guadiana Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). O caso de Alcoutim», por Joaquim Vieira Rodrigues; «Modos de vida no interior serrano algarvio e a dieta mediterrânica», por Jorge Queiroz; «A arquitetura tradicional do Baixo Guadiana da orla do rio às achadas de Alcoutim», por Miguel Reimão Costa e «Contrabando no Baixo Guadiana».

Estas jornadas anteciparam o Festival do Contrabando também com a realização do espectáculo, «Evaristo, Um Clássico nunca Visto», pela Companhia Profissional de Teatro de Improviso Instantâneos que decorreu no Espaço Guadiana, na vila de Alcoutim, uma novela teatral que levou o público para uma viagem aos anos 30 e 40 do século XX, tendo como base estórias de vida alcoutenejas, contadas pelo público presente.

O Festival do Contrabando, mais que um festival pretende ser a junção e fusão da homenagem a uma atividade que ao longo da história foi importante para as gentes da fronteira, recorrendo às artes e à cultura.

Nos dias 27, 28 e 29 de março. Alcoutim apresenta a todos os visitantes, um mercado de época, gastronomia local, desfiles etnográficos, teatro de rua, bandas de música de rua, oficinas de artesanato e muita mais animação, tendo como grande atrativo a Ponte Pedonal Transfronteiriça Alcoutim – Sanlúcar de Guadiana, disponibilizando a experiência pioneira de caminhar sobre o Rio Guadiana e transpor a fronteira de forma original e única, um sonho antigo das duas vilas.

Veja mais em www.facebook.com/festivaldocontrabando/

Advertisements

Ao continuar a utilizar este site, concorda com a política de cookies mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar